sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Não é que o outro seja irritante; eu é que me irrito ...

“Não é que o outro seja irritante; eu é que me irrito”

(...) “Não é o que o outro seja irritante; eu é que me irrito”. Não é que ele seja irritante, ele está perturbado. Agora, se ele está perturbado, por que é que eu vou importar a perturbação? Eu não vou me perturbar. Aí eu me mantenho não perturbado e o ajudo a sair da perturbação.
Nós vamos começar a trabalhar desse modo. Mas eu poderia, por exemplo, pensar assim: “Eu tenho muita sensibilidade. Eu olho para o outro e vejo a energia que ele produz sobre mim, então vade retro!”. Se olhamos desse modo, nesse momento prendemos o outro naquilo e nos prendemos na sensibilidade à ação do outro. Parece que nós somos super espertos porque vimos o efeito que o outro produz sobre nós. Se eu digo “Vade retro!”, eu consolido toda a situação. Tão pronto ele aparece ou surge uma foto, uma lembrança ou alguém que o menciona, eu digo: “É ele voltando!”.
Por outro lado, se olhamos para o outro com compaixão, vendo que ele está perturbado por alguma coisa, eu não consolido o ser nem consolido a relação nem a perturbação. Eu simplesmente não vou me perturbar. Isso corresponde ao corpo translúcido, ao corpo de Guru Rinpoche, se a gente pudesse passar a mão por dentro do corpo dele. Isso significa que as negatividades podem vir mas elas não nos afetam. Isso é uma mistura de méritos relativos com méritos de sabedoria (absolutos).”
Ensinamento de Lama Padma Samten durante um retiro em Araras, RJ (julho 2013).
Imagem:Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário